A Revoada dos Guarás em Alcântara

Publicado em 2 de setembro de 2019

Maiara Barbosa

Entre o verde das palmeiras do babaçu e das árvores do mangue, aos finais de tarde em Alcântara, o pôr do sol ganha o tom vibrante dos guarás. Quem sabe o local exato onde as aves buscam repouso em terra é Seu Chico, canoeiro conhecido em toda a cidade.

Dentro da sua canoa, remando pelo mar, ele se sente a vontade. De pele escura e sorriso tão brilhante quanto o sol, Seu Chico cerra os olhos no horizonte em busca da direção exata das aves que voam sobre o céu do Maranhão.

Seu chapéu de palha lhe protege do sol. De cada lado da aba, lá está amarrada uma pena-guia. Seu Chico deixa a timidez de lado para explicar do se jeito sobre o que se trata o amuleto. “Todos os guarás nascem escuros, com o peito branco. Só que a comida deles é o camarão e, por causa disso, quando eles comem o bicho, vão ficando vermelho. Depois de adulto só resta uma pena em casa asa com a ponta preta. Todas as outras são vermelhas.”

Caroline Aranha, guia experiente da cidade e apaixonada por Alcântara, completa a explicação dizendo que a mudança de cor das aves se dá por conta de uma substância chamada caroteno, encontrada nos camarão.

Ainda na procura das aves pelo céu, Seu Chico retira de uma sacola plástica, com todo o cuidado, um binóculo suíço. A peça foi presente de um visitante de Alcântara. O peso do binóculo e a sua estrutura profissional fazem com que todas as aves sejam vistas, ainda antes de avistarem a terra firme.

Saiba mais:

Assim que o sol vai baixando no mar, os guarás aparecem cruzando o céu. O vermelho vivo deixa o pôr do sol ainda mais vibrante. Tão coreografados quanto bailarinos, os guarás parecem dançar no céu e se exibem para a plateia que acompanha o espetáculo de camarote na canoa.

Nas águas calmas, próximas do mangue, se ouve somente o som dos pássaros. No lugar de cortinas fechadas, o céu escuro e as estrelas no céu avisam do fim do espetáculo.

É hora de retornar. Ao longe, uma grande tempestade se aproxima com raios e ventos fortes. Seu Chico, porém, diz que nunca pegou uma tempestade durante o retorno e que aquela chuva não nos alcançaria. Por hora, penso que ele diz isso para nos acalmar. Depois, recordo-me que estou sobre o comando do melhor canoeiro de Alcântara e, de fato, Seu Chico tinha razão: a chuva não nos alcançou.

Serviço

Para chegar em Alcântara há saídas diárias de lanchas e catamarãs de São Luis. O horário pode variar de acordo com a maré. A passagem (ida e volta) fica em torno de R$ 30. O contato da Lancha Bahia Star é o (98) 9 8445-1699 e (98)9 9843-1237 para consulta dos horários e disponibilidades.

Chegando no cais de Alcântara, facilmente Seu Chico estará lá oferecendo seus passeios. A época em que a revoada acontece de maneira mais intensa é entre os meses de julho a dezembro. O canoeiro também avisa que, em dias de chuva, é mais difícil de avistar os guarás.

Além da companhia de Seu Chico, a guia Caroline Aranha esteve no passeio. De maneira receptiva e zelosa, ela recebe os visitantes logo no cais, ajuda na reserva do bilhete do barco e programa o passeio com o canoeiro. O contato da Carol é o (98) 8410-7372.

Carol oferece o city tour histórico por Alcântara e também faz passeios para a Ilha do Livramento, pelos quilombos de Itamatatiua e Santa Maria, além de acompanhar os visitantes para a revoada dos guarás e nos banhos rios e praias.

*A viagem para a Alcântara teve apoio da guia Caroline Aranha. Apesar disso, as informações aqui descritas são livres de qualquer contraprestação.

 

booking.com faz cotação em diversas empresas/acomodações, garantindo os melhores preços e opções pra você. Reservando através deste link, você não paga nada a mais por isso e o Meu Destino é Logo Ali recebe uma contribuição. Com isso, você ajuda a manter o blog sempre atualizado e com novos conteúdos!

 

Adicionar a favoritos link permanente.

8 Comments

  1. Joabe Tavares

    Sou apaixonado pelas cores do fim do dia! Adorei seu post cheio de histórias e informações. Inesquecível, né?

  2. Acho que já comentei por aqui que lendo seus Posts, percebo que ainda tenho muito a conhecer pelo Maranhão. Como amo o nosso Nordeste!

  3. Me senti com vocês e Seu Chico no barco enquanto lia o relato… Deve ser uma experiência única poder presenciar a revoada e ter alguém tão experiente com o seu Chico guiando!

  4. Amei ler seu relato, me senti ali também. E as fotos estão lindas!

  5. Nossa que interessante.. Não sabia que os Guarás mudavam de cor por causa da alimentação. Seu relato foi lindo. E o por do sol mais ainda…

  6. Caroline Rodrigues

    Nossa achei as fotos simplesmente MARAVILHOSAS! R$30 é MUITO barato!

  7. Mariana Sales

    Seu blog é muito mais do que um mero blog de viagens, você sabe né? É tanta sensibilidade para contar uma história, que eu sempre tenho a impressão de que tô dentro da sua viagem. Post lindo!

  8. Nossa! Quanto detalhe no post! Me senti viajando com vc e doida pra conhecer o seu Chico! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *