Skip to content

Dicas para visitar o Complexo da Pedra Caída na Chapada das Mesas

Belas cachoeiras e uma infraestrutura é que mais chama atenção no Complexo da Pedra Caída, em Carolina. É lá dentro que fica a famosa Cachoeira do Santuário, um dos cartões postais da Chapada das Mesas. O complexo ainda conta com mais cinco cachoeiras e, além disso, tem espaço reservado para tirolesa e teleférico.

Para chegar até o Complexo da Pedra Caída, saindo de Carolina, o caminho passa pela BR-230. São cerca de 30 minutos em estrada asfaltada. A entrada no complexo custa R$ 60 e dá acesso a área da piscina. As demais atividades, como a visitação nas cachoeiras, tirolesa e teleférico, são cobradas à parte, assim como o almoço. (confira a seguir a relação dos preços).

Logo na recepção o visitante recebe um voucher digital e já pode escolher quais cachoeiras e atrações irá visitar. O pagamento é lançado no voucher e o pagamento é feito na saída.

valores referentes à junho/2019

O almoço é serviço à La carte e/ou self-service, dependendo do dia da semana e do número de visitantes no dia.

Dentro do Complexo da Pedra Caída há duas maneiras de chegar até as cachoeiras. Uma delas é com a própria equipe do local, que organiza as saídas em grupos em horários pré-determinados. O transporte é feito em ônibus ou carrinhos de golfe.

BOOKING.COM: RESERVE SUA HOSPEDAGEM AQUI!

A vantagem de quem visita o Complexo da Pedra Caída com a agência Torre da Lua é que os guias da agência têm autonomia para circular no complexo com seus carros, acompanhando os visitantes até as cachoeiras. Sem horário determinado para ir e voltar, é possível aproveitar mais e, com sorte, ainda encontrar as cachoeiras vazias fazendo o fluxo inverso dos grupos de visitantes.

Saiba mais:

Dentro do Complexo da Pedra Caída visitei três cachoeiras: Cachoeira da Caverna, Cachoeira do Capelão e a famosa Cachoeira do Santuário, cartão postal da Chapada das Mesas.

Cachoeira da Caverna

Assim como o próprio nome diz, a cachoeira é um tesouro escondido após uma caverna. Para chegar no poço é preciso percorrer uma curta trilha com água na altura da cintura.

O formato das rochas envolta da cachoeira parece abraçar a sua queda d´água e deixa o espaço ideal para banho.

Cachoeira do Capelão

Apesar de o nome lembrar uma figura religiosa, no Complexo da Pedra Caída a cachoeira assim foi batizada por conta de uma espécie de macacos com este nome. Conta-se que, quando a cachoeira foi descoberta haviam muitos macacos capelões no topo da queda d´água e a presença dos animais inspirou no nome do local.

O caminho até lá passa por um cenário encantador, de água cristalina sobre um chão areioso avermelhado. Entre a mata fechada, nos mais tons vibrantes de verde, os raios solares iluminam as árvores e refletem na água.

Caminhando com chinelos na mão pelo curso da água, no final do percurso fica a pequena praia, com banco de areia, da Cachoeira do Capelão. Suas águas são cristalinas e o verde muda de tom conforme aumenta a profundidade. Próximo da queda, o poço chega a medir 5 metros de profundidades.

A parede escura também chama a atenção e, os guias e os mais corajosos, encontram buracos nas pedras para escalar e ficar de pé, embaixo da queda d´água.

Cachoeira do Santuário

Depois de trilhas sobre pontes, o caminho até a Cachoeira do Santuário ainda passa por paredões cobertos por delicadas plantas que dividem espaço com fios d´água. Após 600 metros de caminhada, cânions de mais de 50 metros de alturas são as cortinas que escondem a cachoeira que está logo a diante.

A cachoeira é resultado de um processo de erosão que começou a mais de 60 milhões de anos nas rochas de arenito. Até a entrada no cânion é preciso atravessar com água acima da cintura. Chegar no “esconderijo” da água é encontrar uma queda poderosíssima de 46 metros de altura.

Chinelos, carteiras, bolsas, toalhas e peças de roupas não devem ser levados até lá, já que o volume de água é intenso e tudo irá molhar. Para câmeras fotográficas e celulares, pegue uma sacola plástica deixada para os visitantes na entrada do cânion. Neste mesmo local, bolsas e demais pertences são deixados em um banco.

Outras atrações

O Complexo da Pedra Caída oferece dois tipos de tirolesa. A Tirolesa do Desespero tem 1,2 mil metros de extensão, já a Tirolesa do Pânico é um pouco maior e mede 1,4 mil. Para chegar até o ponto de embarque, um teleférico faz o caminho e o transporte já está incluso no valor da atração. Há quem prefira, porém, fazer a subida pela trilha.

Na parte alta do Complexo da Pedra Caída é onde fica a Pirâmide Mística. Além de contemplar a vista que se tem lá do alto, o local é procurado por quem pratica meditação para renovar as energias.

A área das piscinas do Complexo da Pedra Caída oferece piscina para adultos, para crianças, cascata, área de bar, quiosques e espreguiçadeiras, além de vestuários e banheiros.

Para quem preferir, ainda é possível se hospedar nos apartamentos e chalés do Complexo da Pedra Caída.

Quando ir e como chegar na Chapada das Mesas?

A Chapada das Mesas pode ser visitada em qualquer época do ano. Porém, se você busca encontrar as cachoeiras com águas mais cristalinas, o período ideal é de maio até novembro.

Para chegar até a Chapada das Mesas, o aeroporto mais próximo é o de Imperatriz – MA, que fica a 220 km de distância. A agência Torre da Lua inclui o transfer em seus pacotes.

A agência Torre da Lua trabalha com o turismo sustentável, de base comunitária e preza pela conservação da natureza. Por conta disso, todos os passeios oferecidos acontecem em grupos pequenos.

Além disso, a rapidez e a dedicação no atendimento online são outros atrativos da agência que facilita a escolha dos destinos e as reservas.

Onde ficar na Chapada das Mesas?

Se hospedar em Carolina é a opção de muitos visitantes, já que a cidade conta com a maior infraestrutura da região da Chapada das Mesas. Na cidade, a pousada mais tradicional é a Pousada dos Candeeiros.

Construída em um casarão do século XIX, que foi ampliado, são 42 quartos todos equipamentos com chuveiro elétrico, frigobar, ar-condicionado, televisão e várias redes de wi-fi.

O clima aconchegante da cidade se completa com a decoração temática, as flores espalhadas pelas varandas e os móveis antigos.

A família que criou a pousada montou um pequeno acervo com objetos e quadros para relembrar o ambiente de “casa de vó”.

O café da manhã é repleto de variedades dos sabores regionais do sul do Maranhão.

O serviço de limpeza de quarto é realizado, de maneira impecável, diariamente e os hóspedes ainda contam com uma piscina para relaxar e cadeiras na calçada para sentar e conversar, bem à maneira do povo de Carolina.

*A viagem para a Chapada das Mesas teve apoio da agência Torre da Lua Ecoturismo da Pousada dos Candeeiros. Apesar disso, as informações aqui descritas são livres de qualquer contraprestação.

IMPORTANTE: Antes de viajar, verifique as condições visitação no destino e siga sempre os protocolos de segurança e de higiene para o combate do coronavírus.

Deixe um

Comentário

Ninguém comentou ainda, seja o primeiro!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Salve no

Pinterest

Salve essas dicas no Pinterest e aproveite melhor a sua viagem pelo Brasil!
Complexo Pedra Caída Chapada das Mesas @meudestinoelogoali

Escute no

Spotify

Outras

Viagens