Lembro-me como se fosse hoje a dor de barriga e o medo que sentia ao ter que encarar o avião pela primeira vez… Foi em 2014. O destino, um voo de pouco mais de uma hora entre São Paulo e Vitória, no Espírito Santo.

Relutei em fazer a viagem de avião e cheguei a procurar passagens rodoviárias, mas o tempo da viagem não casava com o horário do compromisso em terras capixabas. Enfim: não dormi na noite anterior da viagem com medo de morrer e precisei tomar quase um litro de chá de camomila antes de viajar para me acalmar.

Chegando no aeroporto as mãos suavam frio e as pernas tremiam tanto que quase não consegui embarcar na aeronave e precisei ser empurrada pelos meus amigos.

Sabe aquela história de “se não pode com eles, junte-se a eles?”. Pois bem, já estava me conformando com a situação e, depois de sentir a decolagem, até que gostei da coisa… Me arrisquei a espiar as coisas vistas lá de cima e, na volta, sentei na janela!

Depois de perder o medo vieram turbulências que fizeram até pensar nas manchetes dos jornais do “novo desastre aéreo do país” e a minha foto estampada na lista das vítimas do acidente. A cada sacolejo pensava: Por que eu gosto tanto de viajar e me sujeito a isso? Não poderia gostar de ser caseira?

Antes do intercâmbio na Irlanda precisei até da ajuda de uma psicóloga para me preparar para enfrentar 12 horas dentro de um avião. A terapia continua, a origem do trauma foi descoberta, não sinto mais tanto medo de voar, mas quem não fica com dor de barriga na hora de uma turbulência forte? Acho que é impossível se acostumar com aquilo…

Uma coisa que aprendi é que são nesses momentos de dificuldades e medo que provamos para nós mesmo a nossa coragem. É da janela do avião também que conseguimos ter a percepção de quanto o mundo é grande e como temos lugares a descobrir.

Por isso confira algumas dicas para enfrentar o medo de avião:

– Os números comprovam: avião é um dos meios de transporte mais seguros

Embora os acidentes com aeronaves ganhem grande repercussão quando eles acontecem, a probabilidade deles acontecerem são menores do que acidentes de carro, por exemplo.

De acordo com o Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos, a chance de uma pessoa morrer num acidente de carro é de 1 em 112. Já num acidente de avião esse número sobe para  1 em 8.357.

– Busque entender como os aviões funcionam

Você já deve ter ouvido em algum lugar que nós temos medo daquilo que não conhecemos, certo? E essa premissa também se aplica para as viagens de avião: quando a gente entende o motivo das luzes se apagarem nas decolagens e na aterrissagem, o nosso medo diminui porque sabemos que aquilo é um procedimento de segurança.

Busque vídeos na internet! O Voe Tranquilo, além de orientações para quem teve problemas com as viagens, também costuma compartilhar dicas e curiosidades para os viajantes em suas redes sociais.

– Turbulências são normais

Assim como as estradas têm buracos, os aviões passam por turbulências! O importante saber é que as turbulências seguem uma classificação de força G: as turbulências leves ficam entre 0,8 e 1,2 G. Já as moderadas chegam até 1,4 G e as fortes atingem 1,6 de força G.

Os aviões resistem às turbulências pois foram projetos para suportar até 2,5 G de força. Existe um aplicativo em que você, se sentir confiável para isso, pode acompanhar a intensidade da turbulência para saber a sua classificação.

– Respire profundamente, entoe um mantra, reze…

Pode parecer balela, mas, sim: respirar é a melhor arma que temos para os acalmar. Num momento de crise de ansiedade ou desespero, além de mudar os pensamentos, devemos controlar os sintomas físicos (como a respiração acelerada) antes de tudo.

Um bom exercício para isso é contar lentamente até 5 (quem conseguir contar até 8, melhor ainda!) e inspirar o ar durante a contagem. Antes de soltar o ar, tente segurar a sua respiração pelo mesmo tempo que demorou para inspirar. Para terminar, solte o ar lentamente, também respeitando o mesmo tempo da contagem.

Repita o exercício quantas vezes for necessário e concentre-se no seu corpo enquanto respira!

– Busque algo para se distrair no avião

Que tal preparar uma playlist especial para a viagem? Ou então levar um livro novo para ler durante o tempo que você ficará dentro do avião?

Se você gosta de palavras cruzadas, crochê, etc aposte nisso! o importante é trazer algo prazeroso e que você se sente confiante ao realizar

– Remédios, cafeína e álcool

Já ouvi histórias de muitas pessoas que, com medo de avião, tomam remédio para dormir. Eu mesma já cogitei fazer isso, mas desisti.

É preciso pensar que, todo remédio pode trazer um efeito colateral. Imagina se você não está acostumado (a) com o remédio e tem uma reação durante um voo?

A maneira mais “saudável” para isso talvez seja evitar ingerir bebidas alcóolicas e cafeínas, que são estimulantes e desidratam – o que pode potencializar uma crise de medo, por exemplo. Prefira um chazinho que é mais seguro e te fará bem!

– Escolha um assento na frente

Os assentos que ficam na direção das asas tendem a balançar mais num voo do que na parte da frente do avião.

Além disso é ali que ficam os comissários de bordo, com quem você pode conversar e se distrair observando suas atividades. E o melhor: você desembarcará mais rápido também!

– Foque no propósito da sua viagem

Viajar de avião pode dar medo? Sim. Mas quando isso te acontecer, lembre-se que é aquele mesmo avião que está te levando para descobrir aquele cantinho especial que você planejou visitar com tanto carinho.

Pense que irá rever a família e os amigos, curtir uma praia, escalar uma montanha, visitar museus ou se deliciar naquele restaurante que você sempre sonhou!

Salve essas dicas no Pinterest e aproveite melhor a sua viagem pelo Brasil!

O booking.com faz cotação em diversas empresas/acomodações, garantindo os melhores preços e opções pra você. Reservando através deste link, você não paga nada a mais por isso e o Meu Destino é Logo Ali recebe uma contribuição. Com isso, você ajuda a manter o blog sempre atualizado e com novos conteúdos!

Deixe um comentário