Ao chegar em Petrópolis, a primeira coisa que ouvi do guia Sidnei foi: “Com certeza você já deve ter lido sobre a nossa cidade nos livros de história da escola.” Ao logo daquele dia, percebi que Petrópolis é uma cidade que merecia uma disciplina exclusiva só para ela na escola para que os estudantes pudessem conhecer a fundo sua história e o importante papel que ela desempenhou no nosso país.

Além de ter sido escolhida para residência oficial de veraneio da Família Imperial, Santos Dumont, o pai da aviação, também tinha morada por lá e deixou um acervo diverso para o museu que hoje carrega o seu nome.

Além disso, a arquitetura da cidade recebeu influências desde o estilo neogótico até mesmo do Oriente Médio. O interior das igrejas também guardam importantes obras sacras.

BOOKING.COM: RESERVE SUA HOSPEDAGEM AQUI!

Com disposição para caminhada é possível conhecer muitos pontos importantes de Petrópolis em um dia. O ideal, porém, é reservar dois dias inteiros ou mais para a cidade, pois, além do Centro Histórico, Petrópolis conta com outros lugares que merecem uma visita, como os bairros rurais e suas cachoeiras e seus castelos também.

Casa dos Sete Erros

A primeira casa a receber energia elétrica em Petrópolis ficou conhecida como a Casa dos Sete Erros pela assimetria dos elementos na sua fachada.

Por dentro, o espaço preservado ajuda a contar a história de José Tavares Guerra, o proprietário, e sua paixão pelas viagens, a relação de sua esposa com a música e a religiosidade de toda a sua família, que influenciou até mesmo na construção de uma capela em um dos andares do casarão.

A visitação na área externa da também chamada como Casa da Ipiranga é gratuita e inclui o jardim e o restaurante, que antes servia como coxia dos cavalos. Para visitar o interior da Casa dos Erros, o ingresso custa R$ 10.

Catedral de São Pedro de Alcântara

Ainda de longe é possível avistar a imponente torre de 70 metros de altura da Catedral de Petrópolis. A grandiosidade da igreja está também nos detalhes, como nos 8 metros de altura da porta da entrada e em seus mais de 2.4 mil quilos (cada uma) de madeira Jaberana, trazida da Rússia.

Observando ainda a fachada, os quatro evangelistas foram representados, juntamente com cinco sinos. Sua arquitetura foi projetada para que o encontro dos corredores no altar formassem o desenho de uma cruz.

No interior da catedral, diversos vitrais brasileiros e franceses relembram os milagres e trechos da vida de santos da igreja católica. Ali também estão sepultados o Imperador D. Pedro II, sua esposa e seus filhos. Outro destaque é o órgão da igreja, um dos maiores produzidos no Brasil que ainda está em atividade.

Museu Imperial

O acervo o também conhecido como “Palácio Imperial” inclui peças da monarquia, como mobiliário, documentos, obras de arte e objetos pessoais. O Museu Imperial fica no antigo Palácio de Verão do imperador Dom Pedro II.

Além da visitação, propriamente dita, outra atividade realizada pela organização e que merece destaque é o projeto Som e Luz. O espetáculo utiliza efeitos especiais de iluminação e sonorização para reviver a história da Família Real.

Avenida Koeler e seus casarões

A vista que se tem da Catedral de São Pedro de Alcântara, da Avenida Koeler, se tornou um dos principais cartões postais de Petrópolis. Caminhar pela sua extensão é voltar ao passado, na época do Brasil Império, ao rever os casarões antigos.

Entre os prédios que antes eram sede do governo e residências de famílias ricas, hoje encontramos hotéis e restaurantes que preservam, através de suas fachadas, a história de Petrópolis.

Pequenas plaquinhas instaladas nos muros trazem informações a respeito das construções de maiores destaques. Uma delas é a casa da Princesa Isabel, na esquina com a Catedral de São Pedro, de muros cor de rosa.

Palácio de Cristal

Inspirado no Palácio de Cristal de Londres, a versão de Petrópolis foi um presente para a Princesa Isabel, que gostava de cultivar flores e plantas.

Sob a estrutura pré-moldada que veio da França, o Palácio de Cristal era palco de grandiosas festas e bailes. Um dos eventos mais importantes que o palácio sediou foi a festa para a entrega das cartas de alforrias dos escravos pela Princesa Isabel, após a assinatura da Lei Áurea.

Já no século XXI, o Palácio de Cristal começou a ser utilizado para exposições e eventos, como a Bauernfest. A festa, que acontece todos os anos nos meses de junho e julho, homenageia os colonos alemães.

Hoje o espaço está fechado e passa por reformas, ainda assim, sua arquitetura não passa despercebida por quem visita o Centro de Petrópolis.

Fábrica da Bohemia

Foto: Cervejaria Bohemia/divulgação

As paredes altas de tijolinhos à vista indicam o endereço da mais tradicional cervejaria de Petrópolis. A Cervejaria Bohemia iniciou sua operação no ano de 1843 na cidade pelo imperador Dom Pedro II.

Hoje ali são produzidos rótulos especiais de cervejas e o visitante também pode conhecer de perto o processo de fabricação da bebida nos tours oferecidos.

Há também um restaurante no interior da fábrica que trás diversos pratos e opções de petiscos que harmonizam com os rótulos de cerveja da casa.

Museu de Santos Dumont

A casa de veraneio do homem conhecido como pai da aviação tornou-se um museu em Petrópolis e ganhou o apelido de “A Encantada”.

Entre as peças do acervo, como cartas, livros e o famoso chapéu de Santos Dumont, o projeto da casa e a sua simplicidade também chamam a atenção durante a visita.

Apesar de pequena no espaço, há diversas curiosidades que permeiam a casa, como os recortes nos degraus da escada, a altura da mesa onde Santos Dumont escrevia seus projetos, a ausência de uma cozinha e a torre de observação das estrelas no lado externo.

Hoje, o Centro Cultural 14 Bis (montado em um prédio anexo ao museu) apresenta um curta-metragem sobre a vida e a obra de Santos Dumont, além de maquetes táteis para os visitantes com necessidades especiais.

Liberty Garden

Bem próximo da Casa de Santos Dumont, do outro lado da Avenida Barão de Amazonas, fica um vilarejo que reúne boa gastronomia e lojas de lembranças de Petrópolis.

Abaixo do corredor de guarda-chuvas coloridos, no Liberty Garden é possível encontrar uma fábrica de chocolates, opções de canecas, camisetas e chaveiros para presentes, além do tradicional restaurante Paladar.

Ali são servidas refeições a la carte e por quilo, além de fondue e tábuas de petiscos com um tempero excelente.

Chocolate Katz

Ao lado do Liberty Garden fica a loja da Fábrica de Chocolates Katz. Além das opções de chocolates em forma de bombons para presente, a loja funciona como cafeteria também e oferece diversos produtos no cardápio: bebidas, sobremesas e salgados.

Sem dúvida, os destaques são o chocolate quente e a torta de nozes.

Trono de Fátima

Próximo do Centro de Petrópolis, o monumento em homenagem à Nossa Senhora de Fátima oferece uma vista de 360º da cidade. O Trono de Fátima foi inaugurado em 1947 e a imagem, que tem 14 metros de altura, veio da Itália.

A grandiosa imagem é protegia por sete pilastras, que representam os Sete Dons do Divino Espírito Santo. Aos pés da imagem, no subsolo, existe uma capela onde são celebradas missas todos os meses.

O espaço ainda conta com uma pequena Sala dos Milagres com objetos dos devotos que pediram cura de doenças e bênçãos à Nossa Senhora de Fátima. Ali também funciona uma lojinha de artigos religiosos e uma lanchonete.

Casa Stefan Zeig

Foto: TripAdvisor/divulgação

Por trás do famoso tabuleiro de xadrez, a Casa Stefan Zeig preserva a memória de um homem exilado da Segunda Guerra Mundial. O escritor austríaco morou na casa da Rua Gonçalves Dias, 34, em Valparaíso, com a sua segunda mulher depois te ter visto seus livros serem queimados em praça pública na Alemanha.

Eles vieram para o Brasil para tentar recomeçar as suas vidas, porém, a depressão fez com que eles interrompessem as próprias vidas meses depois de se instalarem em Petrópolis.

A Casa Stefan Zeig reúne diversos materiais audiovisuais e também os livros do acervo do escritor que podem ser lidos durante a visita. O espaço também recebe exposições itinerantes e uma área para o café da “Elegante”, que era um dos preferidos do antigo morador da casa.

Casa do Colono

Com as paredes de pau-a-pique e teto de zinco, a Casa do Colono de Petrópolis relembra o modo de vida simples dos primeiros imigrantes alemães. O acervo do espaço conta com utensílios de trabalho e de uso doméstico, fotografias, quadros e objetos pessoais.

A Casa do Colono foi construída em 1847 no quarteirão batizado de Kastelaum (Castelânea). O nome faz referência à região da Alemanha de onde vieram várias famílias que colonizaram a cidade de Petrópolis.

Palácio Quitandinha

A história do Palácio Quitandinha começou no local que servia de pouso para os tropeiros na época do Ciclo do Ouro. Com o tempo, o local foi despertando o interesse para que ali fosse construído o maior hotel-cassino da América Latina.

O prédio, que sediaria o empreendimento, foi inaugurado no ano de 1944 e reúne tendências de hollywood e da Europa na sua arquitetura. O Palácio Quitandinha chegou a receber a presença de importantes nomes da época, como Walt Disney, Orson Wells, Lana Turner e Grande Otelo, porém, a ideia do cassino não se concretizou.

Isso porque dois anos após a sua inauguração, em 1946, o presidente Eurico Gaspar Dutra decretou uma lei que proibia os jogos no Brasil. Hoje, o Palácio Quitandinha se tornou um condomínio residencial e a parte que seria o cassino é administrada pelo Sesc, que oferece atividades de lazer e cultura.

O Palácio Quitandinha também foi o palco de importantes decisões políticas da história do Brasil: no interior do prédio o presidente Getúlio Vargas assinou o Tratado de Petrópolis, que dizia sobre a compra e anexação do território do Acre, e, das salas do Quitandinha, veio o anúncio da decisão que o Brasil entraria na Segunda Guerra Mundial.

Para se programar:

Petrópolis é uma cidade bem sinalizada com informações turísticas para os visitantes, porém, nada se compara a um passeio acompanhado de um guia de turismo, que enriquece a sua experiência, com informações históricas e curiosidades.

O Guia Sidnei Barbosa faz parte da associação de guias de turismo da cidade e possui especialidade em turismo histórico cultural e turismo de experiência.

Além disso, outras de suas especialidades são o turismo ecológico, o turismo gastronômico, o turismo pedagógico e até mesmo o turismo de cemitério!

O contato do Sidnei é o (24) 99238-9038 e o seu e-mail é o sidneiturismo32@hotmail.com.

O serviço do guia é apenas uma indicação do Meu Destino é Logo Ali, livre de qualquer contraprestação.

O booking.com faz cotação em diversas empresas/acomodações, garantindo os melhores preços e opções pra você. Reservando através deste link, você não paga nada a mais por isso e o Meu Destino é Logo Ali recebe uma contribuição. Com isso, você ajuda a manter o blog sempre atualizado e com novos conteúdos!

Deixe um comentário